Marca de vacina no braço indica proteção contra varíola dos macacos? Veja o que se sabe sobre a imunização (2022)

Quem está protegido contra os casos da varíola dos macacos (monkeypox, em inglês)? Há necessidade de vacinação como já anunciam alguns países pelo mundo? No Brasil não existe previsão de nova campanha, mas e quem já tomou a vacina contra a varíola tradicional no passado? Consegue identificar pela cicatriz no braço que foi imunizado?

  • Compartilhe no WhatsApp
  • Compartilhe no Telegram

Para responder as questões sobre o tema o g1 conversou com especialistas e reuniu informações da OMS e de agências de saúde.

Veja abaixo respostas para os seguintes tópicos:

  1. Quando a vacina contra a varíola humana (smallpox) foi oferecida?
  2. Como saber quem foi imunizado no Brasil em campanhas no passado?
  3. Quais são as vacinas que temos hoje contra a varíola? Elas são eficazes contra a varíola dos macacos?
  4. Quem deve ser vacinado no atual momento em países que anunciaram que investirão na estratégia?

Marca de vacina no braço indica proteção contra varíola dos macacos? Veja o que se sabe sobre a imunização (1)

Varíola dos macacos: veja5 pontos sobre a doença

1. Quando a vacina contra a varíola humana (smallpox) foi oferecida?

Quem não conhece a história ou já ouviu falar algo a respeito da Revolta da Vacina, a série de rebeliões populares que uma parte da população do Rio de Janeiro desencadeou no final de 1904?

Aplicador utiliza injetor de pressão em vacinação contra a varíola em São Luís (MA), na década de 1960. — Foto: Acervo: Departamento de Arquivo e Documentação – Casa de Oswaldo Cruz /Fiocruz

(Video) Marca de vacina no braço indica proteção contra varíola dos macacos? Veja que se sabe da imunização

Na época, o Rio vivia um aumento expressivo no número de internações ocasionadas pela varíola humana (que não deve ser confundida com a varíola dos macacos), mesmo assim, uma parte da população era contra a ideia de se imunizar com aquela que foi a primeira vacina bem-sucedida a ser desenvolvida na história da saúde pública.

A alegação à época pode soar parecida se transportada para os dias de hoje: boatos e informações falsas faziam a população acreditar que a campanha de imunização obrigatória, liderada pelo médico Oswaldo Cruz, iria provocar feições bovinas e outras deformidades do tipo porque o líquido da vacina era produzido a partir de vacas doentes.

Foi somente anos depois, em 1908, quando uma nova epidemia aumentou expressivamente o número de casos que a população correu voluntariamente para se imunizar.

E décadas mais tarde, depois de muitos avanços científicos, em 1971, com uma vacina mais moderna e graças a uma intensa campanha de imunização global encabeçada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), a varíola humana - que chegava a apresentar um índice de 30% e mortalidade - foi declarada erradica no Brasil.

"Erradicar é diferente de controlar. Erradicar é tirar o germe do meio ambiente completamente. E isso só foi alcançado até hoje com a varíola", explica Tania Maria Fernandes, Casa de Oswaldo Cruz/Fundação Oswaldo Cruz.

No mundo todo, os últimos casos da doença foram registrados em 1979 e a varíola foi erradicada. No ano seguinte, a Assembleia Mundial da OMS recomendou que todos os países cessassem suas campanhas de vacinação.

Imagem de microscópio mostra vírus causador da varíola do macaco. — Foto: Cynthia S. Goldsmith, Russell Regner/CDC via AP

Estudos apontam que a vacinação contra a varíola humana (smallpox) é cerca de 85% eficaz na prevenção da varíola dos macacos. Mas como essa varíola foi erradicada há mais de 40 anos, atualmente não temos vacinas disponíveis para o público em geral (somente um seleto grupo de pessoas, como alguns profissionais de saúde, receberam o imunizante nos últimos anos).

Voltar ao início

(Video) Giro VEJA | Na reta final, Lula investe em apoios e Bolsonaro vai para o ataque

2. Como saber quem foi imunizado no Brasil em campanhas no passado?

A famosa marca da vacina BCG, um dos primeiros imunizantes aplicados em bebês e que protege contra a tuberculose, é resultado de uma reação imunológica à vacina.

E a vacina contra a varíola também causa uma reação semelhante. Mas dá para saber qual foi o imunizante aplicado só ao olhar para a marquinha no nosso braço?

John Ross, professor assistente de medicina em Harvard e especialista em doenças infecciosas, levantou essa dúvida em uma rede social. A postagem em que o médico afirmava que sim, era possível diferenciar a marca, teve repercussão no Twitter, mas logo ele se retratou e retirou do ar a informação.

Em entrevista ao g1, o especialista explicou que em geral, as cicatrizes de BCG são menores e menos propensas a terem um sulco do que as cicatrizes de varíola, mas que, mesmo para um profissional de saúde, pode ser impossível identificar a marca, tendo em vista que algumas pessoas têm reações "impressionantes".

“A coisa mais útil é a idade de uma pessoa. [Nos Estados Unidos e no Canadá] as pessoas nascidas na década de 1960 e antes disso certamente tomaram a vacina contra a varíola”, diz.

No Brasil, Fernandes explica que é "impossível" saber ao certo quem foi o público vacinado, mas ressalta que, depois de 1971, ninguém mais foi imunizado contra varíola no país.

Além disso, a pesquisadora da Fiocruz pontua que, como em todas campanhas de vacinação, atingir a marca de 100% da população vacinada é algo muito difícil de acontecer. "Isso não temos dúvida. Nunca se alcança isso. Dependendo da doença, algo em torno de 70%, 80% já caminha para um controle de doença", diz.

Outro fator importante é que, como a campanha terminou há muito tempo, muitas pessoas não têm guardado seu comprovante de vacinação. Na época, não existia nem mesmo uma carteirinha como a dos moldes de hoje.

"Eu mesma não tenho notícias da minha carteira, até já achei, mas era um papel separado", relembra a especialista.

O g1 entrou em contato com o Ministério da Saúde para saber quantas pessoas foram vacinadas contra a varíola no país até o fim da campanha de erradicação da doença, mas não obteve resposta até o fechamento desta reportagem.

Voltar ao início

3. Quais são as vacinas que temos hoje contra a varíola? Elas são eficazes contra a varíola dos macacos?

(Video) Giro VEJA | Na reta final, Lula torce por fim de jogo e Bolsonaro intensifica munição

As duas vacinas atuais são a ACAM2000, da Sanofi Pasteur, e a JYNNEOS (também conhecida como Imvamune ou Imvanex), da Bavarian Nordic. Nenhuma delas está amplamente disponível.

Depois dos atentados de 11 de setembro, temendo uma ameaça biológica de terrorismo, os Estados Unidos chegaram a lançar uma campanha de imunização de militares e trabalhadores de saúde com a ACAM200 (na época chamada de Dryvax), mas que foi logo encerrada devido a crescentes ceticismos sobre os riscos de tal ataque e a eficácia do programa.

Hoje, tanto a Agência de Segurança da Saúde do Reino Unido (UKHSA, na sigla em inglês) como os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC) ressaltam que os dois imunizantes podem ser usados para controlar o surto de varíola dos macacos.

A ACAM2000 é administrada em dose única por via percutânea. Nos Estados Unidos, ela pode ser usada na imunização de pessoas com pelo menos 18 anos de idade e com alto risco de infecção por varíola.

Já a JYNNEOS, uma vacina de vírus vivo atenuado, está licenciada para uso nos EUA para prevenir a varíola dos macacos e a varíola humana. É esse imunizante que, em estudos clínicos, mostrou ser 85% eficaz na prevenção da varíola dos macacos.

Além disso, segundo o CDC, a imunização com a vacina da farmacêutica dinamarquesa após uma exposição à varíola dos macacos pode ajudar a prevenir a doença ou torná-la menos grave.

Um frasco de 100 doses de vacina contra a varíola é entregue aos funcionários do Departamento de Saúde de Minnesota, nos Estados Unidos. — Foto: ASSOCIATED PRESS

4. Quem deve ser vacinado no atual momento em países que anunciaram que investirão na estratégia?

(Video) VACINA Varíola do macaco se aproxima do Brasil; Anvisa reforça uso de máscara e distanciamento

A Organização Mundial da Saúde (OMS) avalia que o atual surto pode ser controlado por meio de vacinas e outros procedimentos que já estão disponíveis. Além disso, segundo disse à agência Reuters Richard Pebody, especialista em patógenos de alta ameaça da OMS na Europa, a organização não acredita que o surto fora da África exija vacinações em massa, pois medidas como boa higiene e comportamento sexual seguro ajudarão a controlar sua propagação.

No Reino Unido, embora a agência de saúde britânica ressalte que sua prioridade é garantir o uso adequado de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), a UKHSA emitiu uma recomendação para que profissionais de saúde que tiveram contato com infectados possam ser vacinados com o imunizante da Bavarian Nordic.

Da mesma forma, o Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças (ECDC) ressaltou que a vacinação de contatos próximos de alto risco deve ser considerada.

"No entanto, uma avaliação cuidadosa do benefício/risco deve ser realizada para o indivíduo exposto", evidencia o órgão europeu.

Já o CDC ainda não estabeleceu as diretrizes de vacinação contra a doença nos EUA.

Para Eliseu Alves Waldman, professor de Epidemiologia da Faculdade de Saúde Pública da USP, a vacinação deve ser indicada justamente quando há contato com casos confirmados, para bloquear surtos epidêmicos.

"Campanha de vacinação em massa, é pouco provável, a não ser em situações de emergência sanitária, situação pouco provável na vigência de epidemia por monkeypox [varíola dos macacos]".

A epidemiologista Ethel Maciel concorda com o colega e acrescenta que essas estratégias são importantes pois esses são os grupos mais expostos à doença. Ela destaca que, como ainda não sabemos como esse vírus vai se comportar (embora dados inicias sugiram que ele seja menos transmissível), é fundamental que adotemos tal procedimento aqui no Brasil.

"A gente precisa se preparar para a resposta e eu acredito que precisamos da vacina para caso tenhamos casos aqui, tenhamos para os grupos mais expostos", diz.

No último boletim sobre a varíola dos macacos da rede CIEVS (Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde), entidade que é vinculada ao Ministério da Saúde, foi destacado o fato de que a vacinação universal não é recomendada, porém nem a rede nem a pasta emitiram recomendações sobre a vacinação de pessoas de alto risco. Sobre a questão, o g1 também questionou o Ministério da Saúde e aguarda resposta.

"Ainda, não sabemos, mas é sempre importante estarmos preparados (do ponto de vista da saúde pública) para um pior cenário, se ele não ocorrer, pelo menos as vidas serão poupadas e as vacinas sempre podem ser utilizadas para pessoas civis e militares que forem para regiões de risco no continente africano. Ou seja, é um investimento", conclui a pesquisadora.

(Video) Giro VEJA | O que as pesquisas dizem até agora sobre a ofensiva de Lula contra Ciro

FAQs

Qual a marca da vacina da varíola? ›

Depois que cicatriza, fica a marca, que a gente chama de pega. Em inglês, é o take." Segundo a especialista, essa marca geralmente é no braço esquerdo, tem aproximadamente 2,5 cm e representava uma espécie de carteira de vacinação contra a varíola antigamente.

Qual vacina protege contra varíola do macaco? ›

O imunizante da Bavarian Nordic foi licenciado pela FDA, para a prevenção da infecção pelo vírus da varíola dos macacos. É essa a vacina que chegará ao Brasil a partir de setembro, por encomenda do Ministério da Saúde.

Como se proteger da varíola do macaco? ›

O uso da máscara

Para evitar a transmissão pelo ar, o infectologista recomenda o uso de máscara cobrindo boca e nariz. “Uma máscara de tecido ou cirúrgica é suficiente para se proteger da varíola dos macacos.

Como é feita a vacina da varíola? ›

Compartilhar: Atualizada em 06.09.22: No Brasil, a produção da vacina contra a varíola era feita pelo Departamento de Produção do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz). A Fiocruz produziu mais de 300 milhões de doses de vacina usando o vírus de cowpox (do inglês varíola bovina). Um vírus que atingia os vitelos bovinos.

O que é varíola do macaco? ›

O que é varíola dos macacos? A monkeypox, popularmente conhecida como varíola dos macacos, é uma zoonose viral. Ou seja, é uma doença em que o vírus causador é transmitido dos animais para os seres humanos. Hoje, o contágio também acontece de pessoa para pessoa.

Quem tomou vacina contra varíola pode pegar varíola do macaco? ›

Qualquer pessoa que tenha contato físico próximo com alguém que tenha sintomas de varíola dos macacos ou com um animal com o vírus corre o maior risco de infecção. As pessoas vacinadas contra a varíola apresentam proteção contra a infecção por monkeypox.

O que protege a BCG? ›

A vacina BCG protege contra a tuberculose – doença contagiosa, provocada pela bactéria Mycobacterium tuberculosis. Foi criada em 1.921 por Léon Calmette e Alphonse Guérin, dando origem ao nome BCG.

Para que serve a vacina da varíola? ›

Concebida para combater a varíola humana, a vacina contra a varíola dos macacos tem sido usada para proteger as pessoas mais vulneráveis, face à propagação da doença fora das áreas endêmicas.

Qual é a prevenção da varíola? ›

A melhor forma de prevenir a doença é por meio da vacinação. Mas, como essa é uma condição considerada erradicada, a vacina contra a varíola não faz parte do calendário regular de vacinação.

O que mata a varíola do macaco? ›

A causa de óbito foi choque séptico, agravada pelo Monkeypox (varíola dos macacos)", segundo uma nota enviada à imprensa. Essa é a primeira morte pela doença registrada fora da África. A varíola dos macacos foi confirmada, até o momento, em mais de 16 mil pacientes espalhados por 74 países.

Qual é a vacina Antivariólica? ›

Desenvolvida na década de 1930, a vacina contra a febre amarela (antiamarílica) protege completamente contra a doença, faz efeito em cerca de dez dias e tem aplicação única – basta recebê-la uma vez para ficar imunizado pela vida toda.

Como era feita a imunização da varíola antes da vacina? ›

A primeira vacina surgiu a partir dos estudos realizados pelo médico inglês Edward Jenner. Ele observou pessoas que se contaminaram, ao ordenharem vacas, por uma doença de gado e chegou à conclusão de que essas pessoas tornavam-se imunes à varíola.

Qual a eficácia da vacina da varíola? ›

Em 1988, pesquisadores do Zaire analisaram as taxas de casos de varíola em pessoas com e sem cicatrizes de vacinação contra a varíola. O estudo concluiu que a vacina contra a varíola foi 85% eficaz na proteção contra a varíola dos macacos.

Qual foi o causador da varíola? ›

A varíola é causada pelo Orthopoxvirus, um dos maiores e mais resistentes vírus de DNA conhecidos. Transmitida de pessoa para pessoa por inalação ou contato direto com objetos contaminados, a infecção é muito contagiosa durante os primeiros 7 a 10 dias após o aparecimento das erupções cutâneas.

Qual é a doença que o macaco transmite? ›

A varíola dos macacos é uma zoonose (doença que é originada em animais e transmitida para humanos), descoberta em um laboratório dinamarquês em 1958. O vírus monkeypoxfoi descoberto inicialmente em macacos, e o nome do animal foi associado à doença (macaco = monkey em inglês + varíola = pox).

O que é varíola e como ela é transmitida? ›

A varíola é uma doença infecciosa altamente contagiosa causada por um vírus do gênero Orthopoxvírus, que pode ser transmitido através de gotículas de saliva ou de espirro.

Como saber se tomei vacina contra varíola? ›

Pode haver dúvida se a marca de vacina no braço é um indicativo de que a pessoa recebeu a vacina contra a varíola. A questão é tanto a vacina da varíola quanto a BCG, imunizante contra tuberculose ainda utilizado hoje, deixam uma marca parecida.

Qual é a vacina da variola no Brasil? ›

O Brasil recebeu na 2ª feira (5. set. 2022) o material biológico necessário para iniciar o desenvolvimento de uma vacina contra a varíola dos macacos.

Qual foi a última vacinação de varíola no Brasil? ›

Criada através do Decreto nº 59.153, de 31 de agosto de 1966, a Campanha da Erradicação da Varíola substituiu a Campanha Nacional contra a Varíola, que fora organizada pelo governo brasileiro em 1962.

Para que serve a vacina? ›

Elas protegem o corpo humano contra os vírus e bactérias que provocam vários tipos de doenças graves, que podem afetar seriamente a saúde das pessoas e inclusive levá-las à morte. A vacinação não apenas protege aqueles que recebem a vacina, mas também ajuda a comunidade como um todo.

Qual o significado de BCG id? ›

A vacina BCG-ID é preparada com bacilos vivos, a partir de cepas atenuadas do Mycobacterium bovis com glutamato de sódio. É apresentada sob a forma liofilizada em ampola multidoses, acompanhada da ampola do diluente específico para a vacina (a apresentação pode mudar de acordo com o laboratório produtor).

Quantas doenças a BCG protege? ›

A vacina BCG (Bacilo Calmette-Guérin) é uma vacina que garante proteção contra tuberculose, em especial as formas mais graves da doença, como a meningite tuberculosa e tuberculose miliar.

Quais sintomas da varíola do macaco? ›

Os sinais e sintomas, em geral, incluem:
  • Erupção cutânea ou lesões de pele;
  • Adenomegalia/Linfonodos inchados (ínguas);
  • Febre;
  • Dores no corpo;
  • Dor de cabeça;
  • Calafrio;
  • Fraqueza.
19 Aug 2022

Porque o nome é varíola do macaco? ›

O nome da doença tem origem na descoberta inicial do vírus em macacos em um laboratório dinamarquês em 1958. No entanto, segundo a OMS, a principal forma de contágio no surto atual, que atinge múltiplos países, é pelo contato entre pessoas.

Como surgiu varíola do macaco? ›

Como surgiu a varíola dos macacos? 1958: Descoberto pela primeira vez em 1958, quando dois surtos de uma doença semelhante à varíola ocorreram em colônias de macacos mantidos para pesquisa.

Quanto tempo dura a varíola do macaco? ›

As lesões progridem, no geral, dentro de 12 dias, evoluindo de manchas para bolhas, até se formarem as crostas. Quando a crosta desaparece, a pessoa deixa de infectar outras pessoas, o que ocorre em geral entre 2 e 4 semanas. Quanto tempo duram os sintomas? Geralmente, os sintomas permanecem de 2 a 4 semanas.

Como prevenir a virose do macaco? ›

Para prevenir o contágio é preciso evitar contato próximo, como beijos, abraços e relações sexuais e compartilhamento de itens pessoais. A varíola do macaco pode ser transmitida pelo contato com fluidos corporais, secreções respiratórias, lesões na pele ou mucosas de pessoas infectadas.

Qual é a vacina da variola no Brasil? ›

O que se sabe sobre a vacina Jynneos contra a varíola, aprovada pela Anvisa. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou, na quinta-feira (25), a importação e utilização da vacina Jynneos contra a varíola dos macacos no Brasil.

Qual foi a última vacinação de varíola no Brasil? ›

Criada através do Decreto nº 59.153, de 31 de agosto de 1966, a Campanha da Erradicação da Varíola substituiu a Campanha Nacional contra a Varíola, que fora organizada pelo governo brasileiro em 1962.

Como saber se já tomei a vacina da variola? ›

No Brasil, Fernandes explica que é "impossível" saber ao certo quem foi o público vacinado, mas ressalta que, depois de 1971, ninguém mais foi imunizado contra varíola no país.

Porque eu tenho duas marcas de vacina no braço? ›

Já reparou que das várias vacinas que tomamos ao longo da vida uma deixa uma marquinha no local de aplicação? É a Bacillus Calmette-Guérin (ou BCG), usada para prevenir tipos severos de tuberculose. Essa doença infecciosa é causada por uma bactéria, geralmente da espécie Mycobacterium tuberculosis.

Tem vacina da variola do macaco? ›

Vacinas – A vacinação contra a varíola tradicional é eficaz também para a varíola dos macacos, mas a OMS explicou que pessoas com 50 anos ou menos podem estar mais suscetíveis já que as campanhas de vacinação contra a varíola foram interrompidas pelo mundo quando a doença foi erradicada em 1980.

Qual a vacina que deixa a marca no braço? ›

Você já deve ter percebido como a grande maioria dos brasileiros possui uma marquinha no braço direito. Essa é a cicatriz da famosa Vacina BCG. Ela é uma das primeiras vacinas que os recém-nascidos tomam.

Quais sintomas da varíola do macaco? ›

Os sinais e sintomas, em geral, incluem:
  • Erupção cutânea ou lesões de pele;
  • Adenomegalia/Linfonodos inchados (ínguas);
  • Febre;
  • Dores no corpo;
  • Dor de cabeça;
  • Calafrio;
  • Fraqueza.
19 Aug 2022

Qual é a prevenção da varíola? ›

Porém, medidas como uso de máscaras e preservativos, higienização de mãos e o não compartilhamento dos chamados fômites (objetos capazes de transportar patógenos, como lençóis e toalhas) também podem ajudar a evitar a contaminação.

Qual idade toma a vacina da variola? ›

Quem deve tomar? Crianças, a partir dos seis meses de idade, em regiões endêmicas (onde há casos da doença em humanos).

Para que serve a vacina da varíola? ›

A vacina, a princípio, é usada contra a varíola humana, uma doença fatal erradicada na década de 1980, mas, atualmente, tem sido aplicada contra a varíola dos macacos.

Como é transmitido a varíola do macaco? ›

Se dá principalmente por meio de contato pessoal com secreções respiratórias, lesões de pele de pessoas infectadas ou objetos recentemente contaminados.

Por que temos uma marca no braço? ›

Muitas pessoas têm a cicatriz no braço por conta da aplicação da vacina BCG. Essa marquinha ocorre por conta da inflamação que gera no local da aplicação da vacina, em algumas pessoas. E, é justamente essa inflamação que faz com que exista a marquinha da vacina.

Porque a vacina tem que ser aplicada no braço esquerdo? ›

A maioria das pessoas prefere fazer a injeção no braço esquerdo para não atrapalhar tanto a movimentação”, acrescenta o médico. Os componentes de algumas vacinas podem estar associados também à inflamação, segundo o clínico geral.

Porque algumas pessoas não tem a marca da vacina BCG? ›

Portanto, se você vacinou o seu filho com a BCG e a marquinha não apareceu, pode ficar tranquila. O efeito ocorreu e seu bebê está protegido contra a tuberculose. Essa ausência da cicatriz nada mais é do que uma resposta incomum do organismo, o que não significa que a vacina não foi eficaz.

Videos

1. Conversando sobre o surto de monkeypox - a chamada varíola de macacos
(IBCCF UFRJ)
2. Varíola dos Macacos: Como Diagnosticar?
(CREMERJ)
3. Giro VEJA | Até quando Bolsonaro vai segurar os ânimos contra o STF?
(vejapontocom)
4. Giro VEJA | O ânimo com Meirelles e os cenários para o ministério de Lula
(vejapontocom)
5. Giro VEJA | A movimentação das campanhas após a pesquisa Ipec
(vejapontocom)
6. Giro VEJA | Milton Ribeiro é solto, mas temperatura da crise segue alta
(vejapontocom)

Top Articles

Latest Posts

Article information

Author: Kareem Mueller DO

Last Updated: 12/23/2022

Views: 5993

Rating: 4.6 / 5 (46 voted)

Reviews: 93% of readers found this page helpful

Author information

Name: Kareem Mueller DO

Birthday: 1997-01-04

Address: Apt. 156 12935 Runolfsdottir Mission, Greenfort, MN 74384-6749

Phone: +16704982844747

Job: Corporate Administration Planner

Hobby: Mountain biking, Jewelry making, Stone skipping, Lacemaking, Knife making, Scrapbooking, Letterboxing

Introduction: My name is Kareem Mueller DO, I am a vivacious, super, thoughtful, excited, handsome, beautiful, combative person who loves writing and wants to share my knowledge and understanding with you.